terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

FIQUE POR DENTRO: SONOLÊNCIA E ACIDENTES DE TRÂNSITO.

Uma noite de sono perdida ou sono de má-qualidade pode colocar em risco uma vida ao assumir-se o volante de um veículo automotor.

Um condutor sonolento, com raciocínio e vigilância reduzida, terá menor tempo de reação aos estímulos externos e consequentemente, na pior das hipóteses, dormirá ao volante.

Com certeza você já viu aquele caminhoneiro obeso, saindo para dirigir na auto-estrada, após um almoço copioso na churrascaria do posto de abastecimento. Também já soube de alguém que dormiu subitamente ao volante, de uma hora para outra, “parece que teve um infarto”. Já viu a triste história de um adolescente que voltava de viagem após um curto fim-de-semana na praia ou após a noitada. E aquele tio, que usava medicação antidepressiva ou para ansiedade, que capotou o carro e teve traumatismo craniano?

Certas pessoas têm um risco aumentado para acidentes sono-relacionados: homens de até 30 anos de idade.

Trabalhadores noturnos apresentam risco ainda maior. No caminho para suas residências após o trabalho a sonolência é grande. São os plantonistas médicos, enfermeiros, policiais, motoristas de ônibus, etc..

Como já comentado, os pacientes com SAHOS e Narcolepsia, que têm sonolência excessiva diurna e ataques repentinos de vontade para dormir, respectivamente, são muito vulneráveis. A associação de medicamentos que induzem a sonolência como efeito colateral também representa um aspecto extremamente prejudicial para a concentração ao dirigir .

Nos EUA aproximadamente 100.000 acidentes automobilísticos acontecem em situações que envolvem sonolência, causando em tôrno de 1500 mortes anualmente.

A existência de motoristas sonolentos no dia-a-dia é mais frequente do que imaginamos.

Em 2002, o NHTSA (órgão responsável pela fiscalização de tráfego rodoviário americano) patrocinou uma pesquisa em que o Instituto Gallup, numa amostra com mais de 4000 pessoas, constatou que 37% dos entrevistados assumiram dormir ou terem dormido pelo menos uma vez enquanto dirigiam.

Em estudo recente, o NHTSA e a Virginia Tech Transportation Institute, realizaram um monitoramento de veículos, com sensores instalados internamente, utilizados por motoristas aleatórios, pelo período de um ano. Das ocorrências em geral, os episódios de sonolência ao volante foram os mais comumente relatados. Cerca de 14% dos acidentes e 11% dos “quase-acidentes” de trânsito ocorridos no período apresentaram motoristas com sonolência. Comparativamente, transtornos relacionados a drogas e a ingestão de álcool aconteceram em somente 2% dos acidentes e em nenhum dos “quase-acidentes”.

Quando a Polícia Rodoviária preenche o boletim de ocorrência do acidente, a sonolência não é referida, a não ser que algum motorista relate que dormiu ao dirigir. Dessa forma, a causa dificilmente pode ser descoberta.


Características em comum dos acidentes sono-relacionados:

- Ocorrem em horários avançados da noite e no início da manhã, bem como no meio da tarde, coincidentemente com os picos de pressão para o sono;

- Há uma mudança brusca de direção do carro para o lado oposto da estrada, sem motivo aparente;

- O motorista não faz nenhuma tentativa para evitar o acidente, por exemplo, não há sinais de frenagem no asfalto;

- Acontecem em estradas principais, em ótimo estado de conservação, bem sinalizadas, largas, retilíneas e monótonas, onde a velocidade média permitida é maior;

- São acidentes que resultam em danos graves e fatais.


Sinais de Alerta para quem vai dirigir:

- Se apresentar excesso de "bocejos";

- Se houver dificuldade para manter os olhos abertos e a cabeça elevada (“pescar”);

- Se já esqueceu-se do que viu há poucos quilômetros atrás;

- Se vagueia pela faixa contrária;

- Se reduz a velocidade do carro muito próximo ao veículo da frente;

- Se não consegue seguir a sinalização ou perde as entradas desejadas;

- Se depara-se em cima da faixa ou com redutores de velocidade de forma súbita.


Medidas Preventivas:

- Evite dirigir tarde da noite (motoristas de caminhão, principalmente);

- Não dirija só; caso a viagem seja longa, compartilhe a direção com outro condutor;

- Tenha uma noite de 7 a 8 horas de sono antes de pegar a estrada;

- Pare para descansar e tire uma soneca se estiver sonolento;

- Bebidas cafeinadas ajudam para que se tenha uma melhora da sonolência, mesmo que tenham um efeito de curta duração;

- Caso tenha trabalhado muito à noite e queira voltar para casa dirigindo, não o faça; organize um local de repouso, num recinto ou cômodo do local em que permanece, e tenha um sono breve para depois retomar o veículo.

Abrir o vidro da janela ou aumentar o volume do som tem pouco resultado prático.

Há um tempo havia uma propaganda na televisão que mostrava uma auto-estrada, com suas faixas descontínuas sendo mostradas e uma voz a dizer:

“Eu não posso dirigir quando eu bebo, eu não posso dirigir quando eu bebo...”.

Creio que deveríamos seguir o mesmo raciocínio para quando estivermos com sono:

“Eu não posso dirigir sonolento, eu não posso dirigir sonolento...”.

Fonte: Sleep Education - AASM/Blog do Sono

Nenhum comentário:

Postar um comentário