quinta-feira, 20 de maio de 2010

SEGUNDO ESTUDO, MAIS DE 90% DOS MOTORISTAS NÃO SE SENTEM AFETADOS PELO USO DO ÁLCOOL.

No intuito de aprimorar o conhecimento acerca das características e, conseqüentemente, das necessidades dos profissionais do Transporte, foi realizado um estudo inédito, que revela o perfil do condutor profissional de Campo Grande/MS.

De acordo com a pesquisa, 76,3% desses profissionais, são do sexo masculino, com idade média de aproximadamente, 36 anos, e na maior parte são casados. Possuem baixa escolaridade, onde apenas 32% concluíram o ensino médio, e mais da metade dos entrevistados, 56,5%, são católicos, sendo que a grande massa dos entrevistados tem uma orientação religiosa.

A profissão de motorista é exercida por 76% deles, e recebem entre um e dois salários mínimos, sendo que 62,2% moram em casa própria.

Em relação a própria saúde, 77% dos entrevistados alegaram que não percebem nenhum tipo de problema de saúde. Apenas 4,3% dos condutores, alegam que sentem-se afetados por estado de fadiga. Quanto a utilização de bebida alcoólica, 90,6% dos entrevistados não se sentem afetados pelo álcool. Já de acordo com a utilização de soníferos ou antidepressivos, apenas 6,1%, dos condutores admitiram que fizeram uso da medicação, sem orientação médica.

Os entrevistados responderam também a perguntas sobre a presença de algum tipo de doença:
* 89,9% afirmam que não sofrem de algum tipo de doença.
* Dentre aqueles que afirmaram positivamente – 78,6% sofrem de alguma enfermidade visual;
* 21,4% possui outro tipo de enfermidade.
* Uma parte significativa dos entrevistados, 37,5% alegou que sofre de hipertensão,
* 21% precisa controlar o diabetes.
* O stress aparece entre as respostas, sendo que 8,3% dos condutores admitem que sofrem deste mal.

No tocante ao acometimento de problemas psicológicos, 20,5% dos motoristas entrevistados, alegam que sofrem de algum tipo de problema de ordem psicológica, sendo citadas a ansiedade (31,6%), a preocupação (29,8%) e a irritabilidade (14%) como as primeiras colocadas. Mesmo dentre os que afirmaram a presença de transtornos psicológicos, apenas 18% admitiram ter realizado tratamento médico/psicológico com um profissional habilitado.

Para 87,8% dos entrevistados, o próprio estilo de dirigir foi avaliado como moderado e ou cauteloso, dado que se contrapõem a um outro questionamento feito sobre o cometimento de infrações pelo fato de que 22,7% dos condutores entrevistados admitiram algum tipo de infração de trânsito nos últimos três anos, onde o excesso de velocidade foi a infração mais cometida (27 %), depois da infração por estacionar em lugar proibido (71,4 %).

Quando questionados sobre a qualidade do ensino recebido em Centros de Formação de Condutores, 48,6% dos entrevistados avaliaram com notas entre 8,0 e 10. Já em relação a qualidade das avaliações teóricas e práticas feitas no departamento Estadual de Trânsito – DETRAN, 63,3% avaliaram esses serviços do órgão com notas entre 8 e 10.

O perfil encontrado será utilizado na fundamentação e estruturação da proposta pedagógica de ensino – aprendizagem adotada pelo SENAT – Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte, colaborando para a melhoria na didática utilizada para a capacitação profissional dessa categoria, que suscita o estudo e o aperfeiçoamento das técnicas de qualificação para o melhor desenvolvimento do segmento de Transporte, em nossa sociedade, produzindo assim, mão-de-obra mais eficaz e competente. Todos os participantes responderam voluntariamente ao questionário, respeitando a resolução 196/96 do Conselho Nacional de Saúde.

Neste estudo, foram entrevistados 278 condutores pelo psicólogo Mestre Renan da Cunha Soares Junior, pesquisador na área de Psicologia do Trânsito, parceiro e prestador de serviços ao SEST/SENAT, entre 2008 e 2009, nos cursos oferecidos dentro da Instituição, em Campo Grande/MS.

Fonte: SEST/SENAT

Nenhum comentário:

Postar um comentário