sexta-feira, 8 de abril de 2011

PARLAMENTARES TRAÇAM METAS CONTRA A VIOLÊNCIA NO TRÂNSITO.

Com a meta de reduzir em 50% o número de mortes no trânsito, até 2020, a Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro da 54ª legislatura do Congresso Nacional foi relançada, nesta quarta (06), em Brasília. No ano passado, 40 mil pessoas morreram no Brasil por causa de acidentes nas estradas, segundo dados da Policia Fodoviária Federal (PRF).

A meta de redução faz parte da campanha mundial da Organização das Nações Unidas (ONU), que será lançada no dia 11 de maio. Conforme estimativas da ONU, 1,2 milhão de pessoas morrem por ano, em todo o mundo, de acidentes de trânsito. Entre as ações da frente parlamentar estão propostas de mudanças na legislação e a fiscalização dos investimentos públicos na área.

O diretor geral do Detran/ES, João Felício Scardua, participou da solenidade de instalação da frente e enfatizou que ao cumprir as metas do decênio, os países membros poderão evitar 5 milhões de mortes no período. “Para mudar a cultura é preciso ter mais educação, mas também é preciso ter uma legislação mais rígida e fiscalização”.

Nos próximos 10 anos, as ações de combate à violência no trânsito serão trabalhadas em cinco pilares: fiscalização, educação no trânsito, infraestrutura, saúde e inspeção veicular.

Em entrevista à Agência Câmara, o coordenador da frente, deputado Hugo Leal (PSC-RJ), afirmou que o principal foco de atuação do grupo será o acompanhamento do destino dos recursos aplicados na prevenção de acidentes. Ainda conforme o coordenador, o governo federal possui cerca de R$ 500 milhões por ano para investir na prevenção de acidentes, mas não aplica toda a verba.

Na entrevista, Leal enfatiza que a aplicação correta de recursos públicos poderia reduzir número de mortes e significaria economia para os cofres públicos, já que as mortes e ferimentos no trânsito custam ao país cerca de R$ 30 bilhões por ano, segundo estimativa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

Fonte: Agência Câmara

Nenhum comentário:

Postar um comentário