sábado, 20 de agosto de 2011

SAIBA COMO CALCULAR O CONSUMO DE COMBUSTÍVEL DO SEU CARRO.

Há uma “máxima”, segundo a qual, só compensa abastecer o carro com etanol se o preço do mesmo for até 70% do valor da gasolina. Isso porque é necessário fornecer ao motor mais 30% do derivado da cana de açúcar para alcançar o mesmo desempenho do combustível fóssil. É preciso considerar, no entanto, que esse percentual é uma “média” para os modelos FLEX disponíveis no Brasil. Por esta razão, para aqueles que gostam de gastar um tempo com o automóvel, desta vez Autos & Motores vai mostrar como calcular a relação etanol/gasolina especificamente para o seu carro.

A diferença se dá, principalmente, devido à calibragem do sistema de injeção eletrônica, que pode favorecer, tanto o uso do etanol quanto da gasolina. O leitor pode encontrar carros nos quais a relação entre os combustíveis acima aludidos é de 75%, outros, 65%, mas o desempenho entre esses combustíveis nunca será igual.

Fazendo a medição

Não adianta se precipitar para encontrar a relação etanol/gasolina do seu automóvel. É preciso obter o consumo médio de três tanques de gasolina e depois a média de três tanques de etanol. Por que três tanques? Para saber qual é a média exata de consumo de combustível do seu veículo. Suponha que com um tanque seu carro rode muito em trechos com aclives, com outro faça uma viagem e com o terceiro circule pela cidade sem trechos acidentados. Os três tanques vão mostrar a média de consumo mais próxima da sua realidade.

Para calcular corretamente o consumo de combustível, vale a pena seguir algumas DICAS. Abasteça sempre o carro no mesmo posto de combustível, na mesma bomba e, se possível, no mesmo horário. Peça ao frentista para interromper o abastecimento no primeiro “clique” da bomba. Essa conta é simples e você está (ou deveria estar) acostumado a fazê-la. Ao abastecer o automóvel, confira quantos quilômetros seu carro rodou desde a última vez que teve seu tanque “cheio” e divida esse número pelo volume de combustível registrado na bomba. Essa é a média de quilômetros por litro do seu veículo, que deverá ser feita três vezes com cada combustível.

Para obter a média dos três abastecimentos com cada combustível, basta somá-los e dividir por três. Essa é a média de quilômetros por litro mais próxima da sua rotina no trânsito. Para encontrar a relação etanol/gasolina você vai fazer a seguinte conta: multiplique o consumo médio com etanol por 100 e depois divida esse resultado pelo consumo médio de gasolina. O número encontrado é o percentual etanol/gasolina. Como usar esse número? Da mesma forma que usamos o índice médio de 70%. Vamos supor que o resultado tenha dado 72%. Então, para valer a pena usar etanol no seu carro, é preciso que o litro do mesmo custe até 72% do preço da gasolina.

Fonte: Tribuna do Norte

terça-feira, 16 de agosto de 2011

PROJETO DESCONGELA E AUMENTA INDENIZAÇÕES DO SEGURO DPVAT.

A Câmara analisa o Projeto de Lei 632/11, do deputado Antônio Roberto (PV-MG), que descongela e aumenta os valores das indenizações pagas pelo seguro obrigatório por Danos Pessoais causados por Veículos Automotores de via Terrestre (DPVAT) às vítimas de acidente de trânsito ou às suas famílias (em caso de morte).

O projeto restabelece os valores antigos das indenizações, fixados pela Lei 6.194/74, ou seja:
- 40 salários mínimos (R$ 21.800, atualmente) em caso de morte;
- até 40 salários mínimos em caso de invalidez permanente;
- até oito salários mínimos (R$ 4.360, atualmente) como reembolso à vítima que tiver despesas de assistência médica e suplementares devidamente comprovadas.

Esses valores foram alterados em 2006 pelo governo por meio da Medida Provisória 340, convertida na Lei 11.482/07. Essa lei congelou o valor dos prêmios em reais: R$ 13,5 mil em casos de morte ou de invalidez permanente e de até R$ 2,7 mil para reembolso de despesas médicas.

O autor argumenta que “a fórmula anterior nunca havia sido contestada pela população e em nada prejudicava a administração pública federal”. Segundo ele, embora o valor da indenização tenha sido congelado, foram mantidos os aumentos compulsórios anuais do prêmio cobrado dos proprietários de veículos.

“Nada demonstra a oportunidade, a necessidade ou o benefício da mudança da prática. Caso exista, é tão somente das seguradoras que administram o seguro obrigatório”, critica o parlamentar.

Tramitação

A proposta foi apensada ao PL 505/91, que extingue o seguro DPVAT. Os projetos estão prontos para inclusão na pauta do Plenário.

Fonte: Agência Câmara

terça-feira, 9 de agosto de 2011

SAIBA O QUE FAZER CASO SEU CARRO SEJA CLONADO.

A dificuldade de se identificar um carro clonado tem trazido muita dor de cabeça para proprietários de veículos, que começam a receber multas que não cometeram. Segundo o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), não existe na legislação de trânsito uma regra específica para carros clonados. Assim, só resta ao proprietário recorrer ao órgão com a justificativa de que não cometeu a multa ou ainda descobrir se o carro que dirige é a cópia.

No caso da justificativa, ela deverá ser escrita à mão e, de preferência, com algum documento anexo que prove o local onde estava o verdadeiro carro no momento da infração, como um bilhete de estacionamento. No site do Denatran há as instruções para o procedimento. Já para descobrir se o carro está irregular, basta fazer uma vistoria de chassi no Ciretran (Circunscricional Regional de Trânsito) da cidade.

Porém, os cuidados devem começar na hora da compra. No caso das revendedoras de veículos, que precisam se certificar do histórico do carro, o procedimento é feito por meio de uma empresa privada. Ela verifica o número da carroceria, os selos de marcação, os vidros e o motor a procura de algum vestígio de irregularidade.

Os tipos de clonagem

Nas montadoras, os carros recebem uma série numérica que é gravada no chassi, motor, vidros e carroceria. Esses números são registrados com uma máquina especial, instalada na linha de montagem. No caso dos vidros, por exemplo, os números já saem serigrafados da fornecedora.

Embora haja um rigoroso controle dentro das fábricas por parte do Denatran, os criminosos conseguem acesso a todos os números do veículo, inclusive ao Registro Nacional de Veículos Automotores (código Renavam). As quadrilhas anotam o número da placa de qualquer veículo na rua, a cor e o modelo e, em seguida, puxam todos as informações sobre o veículo e fazem a clonagem.

Os peritos conseguem identificar a diferença porque a cópia nunca é perfeita, já que a máquina e o processo utilizado não são os mesmos das fabricantes. O procedimento utilizado pelas revendedoras para fugir dos clones é o mesmo utilizado pelas seguradoras quando vão avaliar um carro.

Para evitar dor de cabeça durante a compra do veículo, a recomendação do Denatran é de que se consulte o histórico do carro por meio de despachantes ou do próprio Departamento de Trânsito.

Fonte: Auto Esporte

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

RESOLUÇÃO DO CONTRAN ENTRA EM VIGOR E ESTABELECE NOVAS NORMAS PARA MOTOTAXI E MOTOFRETE (MOTOBOY).

Ontem, dia 04 de agosto de 2011, entrou em vigor a RESOLUÇÃO CONTRAN n.º 356, que estabelece os requisitos mínimos de segurança para mototáxi e motofrete (motoboy). Desta forma, nos termos do artigo 8º da Lei n.º 12.009/2009, inicia-se a partir dessa data a contagem do prazo de 365 dias para que o condutor de motofrete e o veículo usado para este fim, possam se adequar às exigências previstas no artigo 139-A do Código Brasileiro de Trânsito (Lei n.º 9.503 de 1.997) e do artigo 2º da Lei 12.009/2009.

O artigo 139-A do CTB fixa que as motocicletas e motonetas destinadas ao transporte remunerado de mercadorias (motofrete) somente poderão circular com autorização emitida pelo órgão ou entidade executiva de trânsito dos Estados e do Distrito Federal (DETRAN) e, para que esta autorização seja emitida, deverá o veículo ser registrado na categoria de aluguel, ter instalado protetor de motor “mata-cachorro”, aparador de linha antena “corta-pipa” e que a instalação de dispositivo para transporte de carga seja aquele regulamentado pelo CONTRAN, submetendo-se o veículo a vistorias semestrais.

Passa-se a vedar o motofrete para transporte de combustíveis, produtos inflamáveis ou tóxicos, com exceção de gás de cozinha e de galões de água mineral, desde que com o auxilio de “sidecar” (dispositivo anexado a moto, especial para este tipo de transporte), nos termos regulamentados pelo CONTRAN.

Com a regulamentação das profissões de mototáxista, motofretista (motoboy) pela Lei 12.009/2009, para o exercício destas atividades, o cidadão deverá realizar curso especializado de formação, aprovado pelo DETRAN e ter, no mínimo 21 anos completos, ser habilitado há pelo menos 2 anos na carteira de habilitação tipo “A”, e, quando em serviço, estar vestido com colete de segurança próprio aprovado pelo CONTRAN.

Com a entrada em vigor RESOLUÇÃO CONTRAN n.º 356, todo o profissional de mototáxi e motofrete deve se adequar às exigências ali contidas, até 04 de agosto de 2012, sob pena de multa e apreensão do veículo.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

CONTRAN ALTERA LEI SOBRE USO DE PLACAS REFLETIVAS.

O Conselho Nacional de Trânsito (Contran) publicou no Diário Oficial da União desta terça-feira (2) mais uma mudança na Resolução 231, de 2007, que torna obrigatório o uso de placas refletivas nos emplacamentos feitos a partir do dia 1º de janeiro de 2012. Agora, os veículos que tiverem a documentação transferida para outro município terão de refazer o emplacamento conforme as novas especificações.

Até agora, a mudança passaria a valer somente para os veículos licenciados a partir de janeiro do ano que vem. Por outro lado, quem fizer o emplacamento antes de 2012 com uma placa sem a película e não mudar de município, não precisará refazer o emplacamento. As especificações valem para veículos de quatro rodas ou mais, motocicletas, motonetas, ciclomotores e triciclos.

De acordo com o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), a obrigatoriedade das placas refletivas visa aumentar a segurança no trânsito. Isso porque em casos de visibilidade comprometida, como em situações de chuva, neblina ou mesmo à noite, elas possibilitam a melhor visualização da distância do veículo em relação a outro.

“A película refletiva deverá cobrir a superfície da placa, excluindo a sua borda, sendo flexível com adesivo sensível à pressão, conformável para suportar elongação necessária no processo produtivo de placas estampadas”, diz a nota no Diário Oficial da União.

Aumento das placas das motocicletas

Também a partir de 1º de janeiro de 2012 será obrigatório o aumento das placas de motocicletas, triciclos e motonetas, para facilitar a identificação. De acordo com as novas regras, o tamanho atual de 136 mm de altura e 187 mm de comprimento mudará para 170 mm de altura e 200 mm de comprimento. Assim, os caracteres passam a ter 53 mm de altura (na placa antiga tem 42 mm). Nesse caso, a mudança de município também obriga a troca da placa com as novas dimensões.

Fonte: Auto Esporte